Brisa

Tenho um manicômio na íris dos olhos

Onde raios luminosos

Brincam de atravessar

A fresta entre um olhar e outro.

Raios que ficam mornos

Diante do timbre do vento,

Ah! O vento!

Nem sequer toca minha pele

Antes, atravessa meus sentidos,

E entre picos indefinidos de silêncio,

Cria um eco estridente em meus ouvidos.

Anúncios

Sobre detantopensarescrevi

Um dia acordei e estava espalhada, haviam palavras por todos os lados, e não tinha como junta-las, foi então que decidi escrevê-las.
Esse post foi publicado em Poema, Tempo, Vazio. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s