Arquivo do mês: novembro 2012

Conspiração silenciosa à noite

            À noite me faz pensar Que o tempo é palpável. Há muitas noites em uma só. À noite que adormece À noite que conspira À noite que faz amor demoradamente. À noite que dá … Continuar lendo

Publicado em Pensamento, Poema, Tempo | 1 Comentário

Estranhos amigos

            Encontrei algumas cartas Escritas com letras e formas Perfumadas de passado Perdidas na esquina de uma gaveta, E por um momento a música voltou a ser velha Os cômodos da casa a ser antigos, … Continuar lendo

Publicado em Amizade, Infância, Poema | Deixe um comentário

Boteco

              Era o boteco O boteco apenas Com cheiro de gente, Incoerente. O que eu buscava ali à toa? Era o papinho O papinho furado apenas.

Publicado em Poema | 1 Comentário

Não crie expectativas não é possível alimentá-las

Criar expectativas é como fechar uma porta diante do mundo lá fora, e imaginar como seria se essa porta se abrisse. Mas a realidade através da porta nunca é igual ao que imaginamos, então pensamos em como sofreríamos menos caso … Continuar lendo

Publicado em Crônica, Expectativa | Deixe um comentário

Não respiro

          Sinto que respiro fora dos pulmões Sinto Que o amor pode ser inteiro E ao mesmo tempo dúvida. [Agora que sinto amor Todo dia acordo com alegria e desespero… Antes eu não sentia nada, Antes … Continuar lendo

Publicado em Poema | Deixe um comentário